14
Ago 11
Viver e Saber

Está muito na moda o diagnóstico de depressão, o que por um lado é bom, pois, desta forma, as pessoas podem buscar ajuda para este sofrimento. Por outro lado, há um excesso de diagnóstico de depressão, quando a depressão pode ter um “papel protetor” na vida de algumas pessoas.

Parece uma conversa de louco, mas vou tentar explicar. Existe depressão que tem um componente bioquímico, familiar e genético, onde as medicações ajudam. São situações que o sujeito pode adoecer sem que tenha razões concretas. Claro, que alguns que tenham pré-disposição genética, adoecem com pequenos fatores desencadeantes do dia-a-dia.

O que mais percebo na minha atividade de terapeuta é a presença de sintomas depressivos, que não caracterizam uma doença. Exemplo: alguém pode ter febre, tosse, catarro, dor no peito e não ser pneumonia, mas uma forte gripe. Parece pneumonia, mas não é. Vale para a depressão. Pode se ter desânimo, tristeza, choro, que fazem parte da depressão, mas estes sintomas podem ser decorrentes de uma má qualidade de vida do sujeito.

O ser humano tende a desenvolver sofrimento emocional (ansiedade e depressão) como sinalização de que alguma coisa não vai bem. É como a febre. Ela é nossa amiga, pois sinaliza que algo não vai bem com nosso corpo e nos empurra para procurar ajuda. Costumo dizer, que ansiedade e sintomas depressivos também são bem-vindos, pois nos cutucam para que possamos esclarecer o que se passa em nossas mentes.

Quando estamos minados por sintomas depressivos, nossa vida passa a não ter graça. Trabalhar, passear, namorar sair, com os amigos ou estar com a família, nada traz prazer. Uma das grandes capacidades do ser humano é saber seduzir o outro ou convencê-lo para algo que desejamos. Quem trabalha com vendas sabe do que estou falando. Como se poderá induzir outra pessoa para comprar algo, se dentro estamos vazios e sem energia.

Meu artigo objetiva tocar algumas pessoas, para as quais a vida é um fardo e sem muito sentido. A vida é muito difícil e a todo o momento sofremos revezes, alguns evitáveis, outros não. O importante é que você tenha atenção para as “armadilhas” que possa está armando para si próprio.

Brinco, falando sério, que somos analfabetos psíquicos, pois temos pouco contato com nossos sentimentos e emoções. Quem tem mais intimidade com este lado da vida, com certeza terá mais sucesso e bem-estar na vida. Como buscar esta intimidade? Através de leituras (recomendo o livro – a vida como ela é para cada um de nós) ou buscar uma psicoterapia.

Dr. Nelio Tombini

neliotombini@terra.com.br

www.psicobreve.com.br

Comentarios (1)

RSS Comentario Feed
Cura para a depressão
0
Muito bom o artigo.. essa clínica psiquiátrica me ajudou demais após a perda da minha irmã. Só tenho a agradecer, fiquem com Deus.
Andrea , abril 12, 2017

Escreva seu Comentario

smaller | bigger

busy

Receber Novidades


.