27
Jun 13
Viver e Saber

 

A resposta está ligada a situação financeira de cada família, uma vez que os recursos disponíveis dependem muito da condição dos pais. Famílias abastadas permitem que seus filhos estudem, o tempo que for necessário, sem pressa para ingressar no mercado de trabalho.

O mesmo não acontece com as famílias de classe média ou pobre, que precisam que os filhos, assim que completam 15 anos, já tenham que decidir o que podem fazer para se manter ou mesmo para ajudar nas despesas familiares.

Nesta fase é comum surgir atritos, entre pais e filhos, uma vez que a exigência para que assumam responsabilidades, com relação a trabalhar, faz com que se deem conta de que a fase infantil acabou, mas nem sempre os jovens estão maduros ou prontos para enfrentar esta situação.

 

Não é a idade que diz que um jovem está apto a assumir responsabilidades, como muitos pais pensam, nas camadas mais pobres. Os pais que vivem com dificuldades entendem, que é mais um para ajudar nas despesas, aliviando suas preocupações, o que é perfeitamente compreensível.

Porém, muitos destes jovens, se revoltam com a situação e partem para encontrar soluções, nem sempre corretas, comprometendo suas vidas para sempre. Isto é fruto de uma sociedade desigual, onde as oportunidades são diferentes, mostrando as diferenças de classes sociais, que tornam infelizes muitos jovens na melhor idade da vida.

Os apelos do Marketing são altamente positivos, mas ao mesmo tempo preocupam os pais, que não dispõe de recursos para atender os desejos dos filhos, que como todo o jovem, quer ter o que está na moda e estar de acordo com o padrão que a sociedade impõe.

Mesmo com sacrifício é comum ver pais adquirindo produtos de alto preço, fazendo prestações por longos meses, que comprometem a tranqüilidade familiar, para não deixar seus filhos serem discriminados no grupo de amigos.

Aqueles que os pais ignoram seus apelos, muitas vezes partem para a marginalidade, dispostos a ter o que desejam de qualquer maneira. Muito do que tem acontecido, nas manifestações que estão ocorrendo no Brasil, reflete isso. Jovens aproveitando o momento para saquear lojas e conseguir o que desejam. Outros simplesmente para extravasar a sua raiva, diante de uma sociedade tão desigual.

A Sociedade precisa refletir sobre isso e lutar para que as pessoas tenham oportunidades semelhantes, evitando as diferenças gritantes, na comparação entre funcionários públicos e privados, onde se encontram as maiores distorções salariais.

É difícil acreditar num Governo que permite que os mais pobres paguem com seus baixos salários, impostos em tudo que consomem para sustentar a máquina pública, que por ironia do destino é onde se encontram os maiores salários, mordomias e outras benesses.

Isto precisa mudar, para que as pessoas possam viver tranqüilas, permitindo que os jovens pobres vivam sua juventude, com as mesmas facilidades, que os bem nascidos. Com isso se evita a marginalidade, fruto das diferenças que agridem o ser humano.

Decidir o que fazer, muitas vezes é difícil até para os adultos. Muitos jovens, pela inexperiência apresentam maiores dúvidas, precisando de orientação para que não internalizem inseguranças, que pode interferir no seu sucesso profissional no futuro. Os pais precisam encorajar os filhos , desde muito cedo, para que aprendam a tomar decisões e andar sozinhos a partir da adolescência. Isto será positivo para a segurança e sucesso deles no futuro.

 

Comentarios (0)

RSS Comentario Feed

Escreva seu Comentario

smaller | bigger

busy

Receber Novidades


.