17
Mar 13
Viver e Saber

 

No artigo anterior foi abordado o problema das crianças que perturbam nas salas de aula, impedindo que os professores tenham tranqüilidade para transmitir conhecimentos, pois não conseguem ficar quietas nem prestar atenção.

O tema foi tratado para os casos em que crianças e jovens saudáveis, perturbam porque são mal educados e desconsideram a importância dos estudos, desrespeitando os professores em sala de aula. Neste artigo vamos abordar o caso daqueles que tem o TDAH, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade.

 

 

Apesar desta doença ter sido descoberta no século XVIII, somente nos últimos anos, em função da facilidade de informações que estão disponíveis nos veículos de comunicação, a população passou a ter conhecimento, de como ela funciona e age na mente de milhões de pessoas no mundo.

É importante que os pais tenham condições de perceber os sinais, que se manifestam com mais clareza a partir de sete anos e muitos a partir de 12 anos, buscando ajuda de médicos especialistas, pois se trata de uma doença.

TDAH significa déficit de atenção e hiperatividade, doença que pode ter raízes genéticas, em muitos casos não percebidas, apesar dos sinais evidentes que mostram aqueles que a possuem.

Não adianta nada brigar, exigir, comparar com outros, porque a criança ou adolescente portador não tem como impedir que apareça, porque não depende dela. O nome diz, é um transtorno, uma doença, e precisa ser tratada por médicos neurologistas, psiquiatras, psicólogos, psicopedagogos e fonoaudiólogos.

Tente imaginar uma criança ou adolescente que viva esta situação, cujos sintomas são:

1 - Falta de concentração.

2 – Agitação permanente que a impede de ficar sentada num mesmo lugar.

3 – Esquece com facilidade o que ouve.

4 – Busca coisas novas a cada momento.

5 – Se dispersa com total facilidade.

6 – Se motiva e desmotiva muito rapidamente.

7 – Tem facilidade para romper relacionamentos, pois é inquieta.

8 – Não consegue ficar sentada ouvindo o professor em sala de aula.

9 – Agitam o ambiente em que vivem

10- Buscam jogos, TVs, celulares e coisas que os mantenham ocupados.

Imaginem uma criança ou adolescente sentindo todos ou alguns dos sintomas acima, tendo que ir para uma sala de aula e ficar ouvindo e prestando atenção durante quatro ou cinco horas. É uma tortura.

Professores que não tem entendimento deste problema, exigem silêncio, pois precisam dar a sua aula. Como não conseguem, ficam irritados, suspendem os alunos, criam antipatias com eles e os desconsideram ou fazem comparações com os demais, que são saudáveis e que se mantém interessados nos ensinamentos.

O resultado é totalmente negativo para todos. Os que não tem o problema sentem-se prejudicados. Os professores desgastados, pois se sentem impotentes para conseguir o que desejam e que jamais irão conseguir, porque é um problema de saúde que precisa ser tratado por especialistas. E os que sofrem com isso, cada vez ficarão mais doentes, porque se não forem tratados acabarão depressivos e ignorados por todos.

O que precisa ser feito pelas escolas é orientar os professores, através de palestras com médicos neurologistas ou psiquiatras, para que consigam administrar esta situação, envolvendo estes alunos em atividades dinâmicas, que não exijam a permanência sentados em sala de aula, seja através de trabalhos em grupos ou pesquisas, que gerem movimento.

Os pais precisam procurar os especialistas e tratar o problema, inclusive com medicamentos, única maneira de poder reverter este quadro. O que não pode é desconsiderar o fato e deixar que as crianças sofram sem tratamento, uma vez que além do sofrimento pelo problema, passam a ser discriminados.

O ideal seria as escolas terem turmas especiais, com metodologias específicas que contribuíssem com as necessidades dos portadores de TDAH. Entender que a conduta perturbadora em aula, não é por serem indisciplinados e sim por um problema de saúde é fundamental para atingir os resultados esperados.

É preciso diferenciar, quando se trata de um problema de falta de educação, por falta de limites e problemas domésticos, ou quando se trata de um problema de saúde, que só os médicos podem resolver.

 

Comentarios (0)

RSS Comentario Feed

Escreva seu Comentario

smaller | bigger

busy

Receber Novidades


.