16
Nov 12
Viver e Saber

Desde o início dos tempos que os seres humanos se agrupam em famílias, visando se proteger, cuidar uns dos outros estabelecendo laços de afeto que tornem a vida feliz.

As famílias continuam sendo a base da sociedade e nela se encontra, não só entendimento e felicidade, mas dificuldades causadas por falta de diálogo, intransigências, desejo de poder, de uns sobre os outros, e principalmente, em muitos casos diferenças de temperamento que impedem um bom convívio. Dificilmente se encontra uma família plena de entendimento e harmonia. Seja pelas diferenças que surgem com o passar dos anos entre os casais ou mesmo a tentativa de independência dos filhos, que em muitos casos é traumática.

A rebeldia dos jovens, que na maioria dos casos se deve ao desejo de tomar suas próprias decisões, causa espanto e perturbações familiares, pois pais possessivos, não aceitam com facilidade perder o comando que tem sobre seus filhos.

A falta de sensibilidade para perceber quando é chegada a hora de começar a ouvir e dar maior liberdade aos filhos, faz com que pais, esqueçam o diálogo e assumam uma posição ditatorial, suprimindo a liberdade dos filhos, que reagem e com isso o desentendimento toma conta.

Pais conservadores, que não aceitam a evolução dos tempos e a mudança nos hábitos de vida e de consumo, tornam a convivência difícil, fazendo com que os jovens procurem fora o que não encontram dentro de casa.

Existem, ainda as mães modernas, que competem com as filhas, pois se preocupam mais com a forma física e a moda, do que entender os filhos e aconselhá-los nesta fase difícil que é a adolescência. Os filhos precisam de pais presentes, que entendam seus limites e os acompanhem até encontrarem o seu ponto de equilíbrio, na fase de passagem para a vida adulta.

Outros ao contrário, fazem tudo para os filhos e os tornam dependentes. Não sabem tomar suas próprias decisões, mesmo quando já saíram de casa. Diante do menor problema chamam os pais e estes, por incrível que pareça, ficam muito felizes, porque continuam comandando a vida deles.

Existem, ainda, aqueles que exigem que os filhos, com idade entre 14 e a6 anos ainda os acompanhem, mesmo quando vão sair a noite e confraternizar com amigos adultos. Não perguntam se eles querem ir, determinam que assim seja.

O resultado é que os jovens passam horas com o pensamento distante, mesmo estando fisicamente presentes, pois o assunto entre os adultos não lhes interessa.

Sob o pretexto de que não podem largá-los a vontade, tornam-se senhores absolutos das vontades e desejos dos filhos, impendido-os de estarem com amigos e serem donos de seu próprio destino. Esquecem que logo isso não será mais possível.

Uma boa educação nunca pode ser opressora, pois ela marca o indivíduo para a vida toda. Educar é passar valores, torná-los independentes para o mundo e a vida, responsáveis por suas decisões e principalmente conscientes de seus direitos e deveres.

Pais e filhos precisam buscar o entendimento sempre, dialogando e evoluindo em direção a grandes objetivos de vida, que devem ser compartilhados, para que uns possam apoiar os outros, mas sempre num clima de liberdade de expressão, de afeto e de compreensão.

Com amor e diálogo permanente, num ambiente sem agressões, todo entendimento é possível. Ninguém gosta de autoritarismo, mesmo as crianças, pois com as facilidades de informações que existem, desde muito cedo todos já sabem o que gostam e o que não gostam.

Quando pais e filhos não se entendem é preciso buscar ajuda de profissionais especializados, pois não é possível aceitar, que pais e filhos tenham diferenças acentuadas, impossíveis de serem eliminadas, para atingirem um estágio gratificante de paz e harmonia familiar.

Que os pais aprendam a dialogar sempre, pois assim estarão mostrando caminhos que os ajudarão a fazer bons relacionamentos, na fase adulta e profissional, indispensáveis para atingir o sucesso na profissão escolhida.

Comentarios (2)

RSS Comentario Feed
pai e filho nao se entendem
0
Meu marido e meu filho de 15 anos não se entendem,meu marido acha que tudo tem que ser na base da educação que ele teve e meu filho acha que já pode ser dono de seu próprio nariz,e eu fico no meio,tentando apaziguar.me ajudem,o que faço,dialogo não e aceitável.
priscila , março 06, 2017
Eu e meu filho não somos amigos
0
Tenho 50 anos, sou casado a 30 e tenho um filho de 22.
Na sua infância eu trabalhava em outra cidade e não pude acompanhar seu crescimento, quando voltei para minha cidade percebi que ele não tinha afinidade por mim, percebi que as coisas que fazia para ele não tinha importância, quando procurava ele para conversar ou para participar do que estava fazendo, ele não me dava atenção. E isso foi esfriando cada vez mais nosso relacionamento de pai e filho.
Hoje ele com 22 está com depressão e não se importa se estou doente ou feliz ou sofrendo. Pode até ser que eu não soube ser um bom pai, mas sempre procurei ser.
Será que isso pode mudar antes de eu morrer?
VANDERLEI BARRETO , julho 26, 2018

Escreva seu Comentario

smaller | bigger

busy

Receber Novidades


.