03
Out 12
Viver e Saber

 

A melhoria dos serviços prestados a comunidade é uma necessidade e uma obrigação do poder público. O Pais tem um longo caminho a percorrer nesta área, começando pela necessidade maior do povo que é ter a melhor qualidade do atendimento em todas as áreas.

Mas existe algo, que compromete o que se fala com relação ao desenvolvimento do Pais, que são os problemas ligados a educação, a saúde e principalmente o descaso com as necessidades dos deficientes físicos.

Ações isoladas mostram alguns avanços, mas é preciso muito mais. O deficiente físico é um ser humano, que também paga impostos e merece a consideração e o respeito da sociedade para facilitar seu deslocamento e o atendimento que lhe é prestado.

Deve ser cumprida a exigência legal na construção de prédios, de meios de transportes e de ruas e calçadas que possam atender as necessidades dos deficientes, respeitando seus limites físicos.

Qualquer pessoa que já quebrou um pé, uma perna, ou qualquer parte do corpo que o limite, por um determinado tempo, sentiu as dificuldades de locomoção, principalmente pela quantidade de calçadas com desníveis, buracos e muitas construídas com material inadequado.

E como fica a situação dos deficientes físicos permanentes, que precisam andar, trabalhar e se locomover, com muletas, cadeiras de rodas ou mesmo apoiados em alguém?

Os próprios moradores precisam ficar atentos quando constroem suas calçadas. Pensem naqueles que são limitados fisicamente, evitando desníveis com a calçada do vizinho, consertando sempre que acontecer um problema, visando favorecer o deslocamento de quem precisa.

Também os prédios precisam se adaptar a estas necessidades, incluindo as clínicas, os consultórios e todos os locais de serviços, pois eles tem as mesmas necessidades dos demais.

Precisamos respeitar os limites físicos, de cada um, criando condições favoráveis para que tenham uma vida tranqüila, mesmo tendo que viver com os limites que a vida lhes proporcionou.

Há muito por fazer, em todos os lugares. É preciso priorizar o atendimento as pessoas que tenham algum limite físico, pois eles não impedem que sejam exemplos, como se viu na última olimpíada de Londres, onde orgulharam seus países com uma alta performance esportiva.

É mais um desafio que precisa ser alcançado.

 

Comentarios (0)

RSS Comentario Feed

Escreva seu Comentario

smaller | bigger

busy

Receber Novidades


.