21
Ago 11
Imprimir
Viver e Saber

Infelizmente parece que sim. As boas maneira são o reflexo de uma educação correta. As crianças eram ensinadas, desde muito cedo, a ter atitudes em relação aos demais conforme segue:

- respeito ao ver ou se dirigir a uma pessoa mais velha;

- Cumprimentar com bom dia, boa tarde ou boa noite;

- Ceder o lugar num ônibus para uma pessoa de mais idade;

- Jamais dizer um palavrão em público;

- Jamais ser o primeiro a servir seu prato;

- Só levantar da mesa com autorização da mãe.

Estes são apenas alguns exemplos de boas atitudes que ficaram no passado, pois nos dias de hoje as crianças tem precedência sobre tudo e todos. Não está de todo errado, pois servindo as crianças em primeiro lugar eles se acalmam.

Isto porque estão sempre agitadas, em função da criação que recebem e do quanto são solicitadas, uma vez que os pais tem múltiplas atividades e os filhos são envolvidos, não tendo mais a tranqüilidade para relaxar em casa.

Vão para a aula, almoçam, tem aulas particulares, aulas de esporte, curso de inglês, precisam fazer os temas, ir ao shopping, enfim é muita atividade, e isso pode estar gerando uma grande angústia. Elas não tem mais um tempo só para elas.

Ficam de lado, as boas maneiras. A pressa do dia a dia faz com que as pessoas esqueçam de cumprimentar, ou fazer pequenas gentilezas que sempre fizeram parte da vida.

Com isso vemos uma criança entrar numa sala e passar por todos como se ela estivesse vazia. Esta realidade os acompanha pela vida. Quando estiverem trabalhando continuarão do mesmo jeito e com isso terão dificuldades em fazer bons relacionamentos que sempre requerem atenção, boa educação e capacidade para ouvir e ceder.

É preciso que os pais e educadores retomem estes cuidados, não para voltar totalmente ao passado, porque isso seria impossível, mas para ensinar e mostrar que boas atitudes só contribuem para uma boa formação e para o sucesso profissional no futuro.

Tudo aquilo, que hoje vemos e sentimos no trânsito, é reflexo desta criação e ansiedade coletiva, onde ninguém tem paciência de esperar, um minuto, para deixar o outro passar. Ceder a vez para um pedestre, é algo impensável. Ele que espere. Mas como nem tudo está perdido, de repente aparece uma pessoa educada, que lhe permite atravessar a rua.

Outro exemplo que todos devem estar percebendo, principalmente nos sábados quando centenas de pessoas estão no shopping, é que pessoas se encontram e trancam o caminho sem ter a menor preocupação com quem vem atrás e precisa passar. Quando estão com carrinhos com os bebês entendem que a prioridade é toda deles, esquecendo também que outras pessoas inclusive idosos, são obrigados a desviar e buscar outras alternativas.

Nos cinemas é outro problema. Aqueles que gostam de comer pipoca durante o filme esquecem que muitas pessoas foram ali para assistir a um filme. Mastigam emitindo ruídos desagradáveis e sugando canudinhos com refrigerantes como se estivessem num parque ao ar livre. Este hábito é antigo, mas se forem ver com atenção é um despropósito, pois uma pessoa, ingerir um saco enorme de pipocas, com altas calorias e ficar sentado por duas horas, verão que não é um bom hábito alimentar.

Tudo isso mostra o momento em que as pessoas estão vivendo. Cada um entende que o seu direito prevalece sobre os demais. Ninguém cede, ninguém espera e todos se acham senhores absolutos de tudo.

Novamente cabe as escolas e aos educadores tomar a iniciativa e mostrar as crianças desde cedo, que viver e saber é também respeitar o direito dos outros e isso só se consegue com boas maneiras.